5 coisas que você precisa saber agora

7

1 – Illinois, Nova York, Connecticut, Flórida, Nova Jersey aumentam restrições de coronavírus

O governador de Illinois, JB Pritzker (D), emitiu na sexta-feira um pedido de permanência em casa para 13 milhões de residentes estaduais, em um esforço para retardar a propagação do coronavírus COVID-19.

O mandato exige que os residentes permaneçam em ambientes fechados, exceto em passeios essenciais, como comprar mantimentos ou procurar atendimento médico; é eficaz a partir de sábado à noite até 7 de abril. Illinois tem 422 casos confirmados de COVID-19 e quatro morreram. “Não tomo essa decisão com facilidade”, disse Pritzker, citando uma escolha entre “salvar a vida das pessoas e salvar os meios de subsistência das pessoas”.

A Califórnia emitiu uma ordem semelhante na quinta-feira, e Connecticut e Nova York fecharam todos os negócios não essenciais na sexta-feira, com Nova York também proibindo quase todas as reuniões. Da mesma forma, a Flórida e Nova Jersey aumentaram as restrições a negócios não essenciais.

2 – Trump interrompe cobrança de empréstimos a estudantes e fecha fronteira EUA-México

O presidente Trump promulgou uma série de medidas fortes na sexta-feira com o objetivo de combater a propagação do novo coronavírus e conter a queda econômica que trouxe. Em uma entrevista coletiva na sexta-feira, Trump anunciou que o Departamento de Educação dos EUA renunciaria aos juros dos empréstimos estudantis e que os mutuários poderiam suspender os pagamentos por pelo menos 60 dias “sem penalidade”.

Trump também anunciou que os EUA e o México concordaram em fechar sua fronteira compartilhada com todas as viagens não essenciais. Um acordo semelhante para fechar a fronteira EUA-Canadá entra em vigor na sexta à noite.

O presidente disse que invocaria a Lei de Produção de Defesa para produzir suprimentos médicos tão necessários. A lei da época da Guerra da Coréia permitirá que Trump ordene que os fabricantes comecem a produzir ventiladores e outros bens necessários.

3 – Queda do mercado encerra pior semana desde 2008

O Dow Jones Industrial Average fechou 913 pontos na tarde de sexta-feira, o S&P 500 caiu 4,3% e o Nasdaq Composite caiu 3,8%, completando uma semana notavelmente volátil que acabou sendo o pior dos três índices desde a crise financeira de 2008. Os mercados flutuaram rapidamente à medida que as notícias da pandemia de coronavírus COVID-19 mudam diariamente.

Enquanto Nova York, Califórnia e Illinois se mudaram drasticamente para fechar negócios não essenciais para conter o surto, os índices afundaram, embora alguns especialistas digam que os investidores estão aparentemente “trocando mais emoções do que os dados reais”. “A Dow caiu mais de 24% em março e atualmente está no ritmo de sua maior queda mensal desde setembro de 1931”, escreve a CNBC.

4 – Bloomberg doa US $ 18 milhões à DNC, em vez de pagar funcionários, conforme prometido

O ex-prefeito da cidade de Nova York, Michael Bloomberg, está cumprindo sua promessa de formar um super PAC independente para apoiar o eventual candidato democrata contra o presidente Trump, em vez de demitir sua equipe e transferir US $ 18 milhões de sua campanha para o DNC. Bloomberg havia prometido à equipe de sua campanha que eles teriam empregos até as eleições de novembro.

Ele fez e apoiou o ex-vice-presidente Joe Biden. “A dinâmica da corrida também mudou fundamentalmente”, disse Bloomberg, “e é extremamente importante que todos façamos tudo o que pudermos para apoiar nosso eventual candidato e escalar os esforços de eleição geral do Partido Democrata”. Os regulamentos da FEC mostram que Bloomberg transferiu quase US $ 1 bilhão de seu próprio dinheiro para sua campanha durante seus três meses de execução.

5 – Pelo menos 4 senadores venderam participações acionárias significativas pouco antes dos mercados despencarem

Os analistas Richard Burr (RN.C.), Kelly Loeffler (R-Ga.), Dianne Feinstein (D-Califórnia) e James Inhofe (R-Okla.) Venderam grandes participações acionárias no final de janeiro a meados de fevereiro, depois de receber instruções a portas fechadas sobre o coronavírus COVID-19, mas antes de sua disseminação, o mercado acionário caiu em espiral. Loeffler começou a vender entre US $ 1,3 milhão e US $ 3,1 milhões em ações no mesmo dia em que participou de uma reunião do Comitê de Saúde do Senado no dia 24 de janeiro sobre o COVID-19.

Feinstein vendeu de US $ 1,5 milhão a US $ 6 milhões em ações entre 31 de janeiro e 18 de fevereiro. A Inhofe descarregou até US $ 400.000 em ações em 27 de janeiro e depois em US $ 100.000 a mais em 20 de fevereiro. O mercado acionário começou sua forte queda em 21 de fevereiro. Feinstein, como Loeffler, disse que não tinha nenhum papel na venda das ações. Burr negou irregularidades e pediu uma investigação do Comitê de Ética do Senado sobre suas vendas de ações.

Texto traduzido e adaptado pela equipe do dicas e notícias para mulheres.
Fonte: The week